Web 3.0, blockchain, criptoativos,aplicações, futuro!

Olá tenho tido certa dificuldade em encontrar informações sobre a web 3.0, inclusive projetos que a tenham como foco, conheço o buscador Brave e nada mais que isso.
Agradeço a todos que puderem compartilhar comigo seus conhecimentos.
Perguntas que podem ajudar:
O que é exatamente?
Como funciona?
Vai prescisar estar dentro de uma blockchain?"acho que só assim será descentralizada kk
Estando em uma blockchain, vai prescisar ter um criptocoin própria?

Seria possível que fosse integrado como uma coisa só? Tipo, hoje nos tenho a Surface e a deepweb, esse processo de web 3.0, agruparia tudo em uma coisa só?

Qual a sua conclusão sobre esses assuntos?

Olá Oleigo, seja bem vindo!
Sobre o que é, como funciona, projetos, criptomoedas não posso te ajudar. Me parece que você está na fase inicial do interesse no assunto e se eu fosse estudar este assunto faria o seguinte:

Como em quase tudo que está ligado ao mundo da informática, os materiais atualizados sobre o assunto podem ser encontrados em inglês. Também não sei muito a respeito desse tema e para começar acho que vale a pena dar uma olhada no vídeo abaixo que é bem introdutório mas dá uma boa noção sobre o assunto, numa linguagem bem acessível. Tem vídeos na linha da abordagem introdutória sobre NFT e Blockchain neste mesmo canal em linguagem acessível para quem está começando. Os vídeos do canal da web3 foundation podem ser ajustados para exibir a tradução automática se for preciso, não é uma maravilha mas ajuda.
Para tentar debater o assunto com pessoas desta área tem uma comunidade ou área (subreddit) na rede social REDDIT que foi criado pela própria WEB 3.0 Foundation onde é possível fazer tópicos com perguntas/dúvidas e participar de discussões. No começo o formato é um pouco estranho e parece mais um fórum do que uma rede social, mas depois você se acostuma.

Se estivesse mais interessado neste universo eu seguiria as redes sociais do Gavin Wood que é o cara que criou este nome, co-fundou a ethereum e o polkadot e a WEB 3.0 Foundation onde tem bastante material sobre este assunto.

https://twitter.com/gavofyork

Exemplo de vídeo que tem lá:

1 curtida

Depois que eu respondi a sua postagem fiquei com o nome Brave na cabeça. Como eu já disse várias vezes, não sou programador ou desenvolvedor e sendo um usuário com pouco conhecimento nessa área sou cliente padrão da Microsoft (Windows + Office) devidamente comprados e no dia a dia uso bastante YouTube, Google, Gmail etc. Meu navegador principal é o Firefox e para algumas situações uso o Edge e o TOR. Durante algum tempo usei o buscador Presearch durante a fase de desenvolvimento, quando ele funcionava mais como uma espécie de “porta” ou “camada” adicional que depois redirecionava para o site dos buscadores mais conhecidos como Google, Yahoo, DuckDuckGo etc. A cada consulta o Presearch coletava os dados da pesquisa e remunerava por cada “passagem” que você fazia no site deles antes de ser redirecionado para o Google. Hoje um PRE (Presearch) está valendo em torno de 2 Reais. Aliás preciso ver se meu saldo ainda está lá… Por algum motivo o Brave não me entusiasmou a ponto de se tornar o meu navegador padrão, acho até que instalei, mas não me lembro se cheguei a usar ou não e como faço uma reinstalação do sistema de tempos em tempos o Brave ficou para trás. Também já disse algumas vezes por aqui que gosto de usar frases feitas. Uma delas diz muito sobre o mundo real: “não existe almoço grátis”. Algumas vezes vem acompanhado de: “alguém ou você está pagando”. Nesse terreno da internet não é toa que se fala tanto em big data e não é à toa que Mark Zuckerberg ganha tanto dinheiro.

Especificamente sobre o Brave, não é um posicionamento a favor ou contra, cada um deve tirar suas próprias conclusões. Procurei aspectos menos favoráveis ou controversos, material a favor ou incentivando o uso tem aos montes por aí.

Foi criado em 2016 pelo programador americano Brendan Eich {1] que entre outras coisas é considerado o criador da linguagem JavaScript e ajudou a fundar a organização sem fins lucrativos Mozilla (moz://a) [2] que mantém o navegador Firefox. Saiu de lá para fundar a Brave Software que mantém o navegador Brave [3].

Assim como os navegadores Opera e Edge (Microsoft) o Brave se baseia no projeto de código aberto Chromium [4] criado pelo Google e como não poderia deixar de ser, também serve de base para o Chrome, até os nomes indicam a proximidade [5].

Em 2017, durante a febre das ICO’s Initial Coin Offering [6] foi lançado o token BAT na Blockchain Ethereum [7]. Foram emitidos 1,5 bilhão de tokens e deste montante 1 bilhão foram colocados à venda e 500 milhões foram destinados para o projeto Brave. Na época do lançamento consta que os 1 bilhão de tokens foram vendidos em poucos segundos e gerou uma arrecadação de 35 milhões de dólares para o criador do Brave, Brendan Eich. Com base na cotação atual do token BAT de R$ 6,21 o montante arrecado em valores atuais seria equivalente a 6 bilhões e 210 milhões de Reais considerando a venda de 1 bilhão de tokens BAT [8].

O ato de ligar/conectar qualquer equipamento na internet é o mesmo que abrir uma janela e dependendo de cada equipamento ele pode ter uma rede de proteção, grades de ferro, sensores de movimento ou não ter nada. Em alguns momentos o usuário estará olhando e poderá notar um mosquito da dengue entrando por ela. Se estiver desatento podem entrar mosquitos, abelhas, ratos, cobras etc. Dizem que uma das coisas mais complexas de fazer e manter é um navegador (browser). Pode ser a alegria ou a tristeza de um usuário [9]. Há relatos de demora na atualização do Brave quando os sistemas liberam atualização, por exemplo, tem usuários do IOS reclamando.

Pegando outra frase emprestada: “cada ferramenta depende de quem usa”. Não estou me referindo a ninguém especificamente, mas de forma geral existem os “sabidos” que sabem de verdade o que estão fazendo e existem os que se acham “sabidos”, este tipo não sabe direito o que está fazendo e com isso estão se arriscando e se expondo talvez até mais do que o normal, sem saber. Dinheiro não cai do céu e na internet, via de regra, o produto é você. Se alguém diz que te protege e te paga para ver isso ou aquilo tem alguém escolhendo o que você vai ver ou que programou para você ver isso ou aquilo e geralmente essa pessoa que programou ou escolheu o que você vai ver foi pago porque tirando trabalho comunitário as pessoas não trabalham de graça. A realidade nua e crua é que, se e quando você desliga qualquer equipamento conectado na internet deve saber que deixou para trás um monte de pegadas que estão devidamente sendo capturadas e guardadas [10].

Se você que chegou até aqui e ainda está interessado ou animado e fizer uma pesquisa sobre o navegador Brave vai dar de cara com um monte de vídeos ensinando como ganhar dinheiro usando o Brave. Duvido que o YouTube ou o Google mostrem algo como este vídeo, que apesar de ter como objetivo vender um curso aborda o Brave, e sua relação com privacidade e segurança, mostrando seu lado bom e suas fragilidades. Não estou sugerindo o curso, mas vale a pena dar uma olhada no vídeo até o fim porque tem conteúdo útil e começa a partir dos 4 minutos, a parte inicial é propaganda [11].

Já dissemos várias vezes e reforçamos que o objetivo é fazer diferente, ter um algo a mais do que se encontra aos montes por aí, ou seja, por aqui não tem mais do mesmo.

1 - Brendan Eich – Wikipédia, a enciclopédia livre

2 - Internet para pessoas, sem fins lucrativos — Mozilla

3 - https://brave.com/

4 - https://www.chromium.org/

5 - Navegador Brave: o que é e quais suas vantagens?

6 - ICO: O que é e como funciona | Coinext

7 - Basic Attention Token (BAT) Preço, Gráfico, Capitalização de Mercado | CoinMarketCap

8 - TI Rio :: Pai do JavaScript arrecada 112 milhões de reais em menos de 30 segundos

9 - Brave encontrou um bug que faz com que o navegador deixe os dados do site onion no tráfego DNS - Avalache Notícias

10 - CEO se desculpa por bug no Brave que incluía código de afiliado em URLs - Olhar Digital

11 - Video

1 curtida

De acordo com o criptólogo americano Moxie Marlinspike (pseudonimo no twitter do criador do Signal) as NFT’s que estão sendo vendidas em plataformas como a OpenSea não são exatamente únicas ou imutáveis e tampouco estão preservadas numa Blockchain. Para provar isso ele fez uma NFT que muda a imagem de acordo com o IP da máquina do usuário que criou a NFT. Nas postagens dele no twitter ele colocou o link da OpenSea que mostra uma imagem e o link para a mesma NFT em outra plataforma, a rarible que mostra outra imagem para o mesmo NFT. A OpenSea não gostou nada dessa trolagem e tirou a NFT que estava à venda no site deles. Este fato, de acordo com o Moxie Marlinspike, comprovaria que as plataformas que negociam as NFT’s não estariam salvando as NFT’s num Blockchain. No vídeo abaixo tem algumas explicações sobre esse fato.

Twitter do Moxie:

Site onde ele critica a WEB 3.0

Site da Signal:

Video falando sobre a trolagem com NFT que mudava a imagem de acordo com o número do IP:

1 curtida