Vídeo Sobre o Desenvolvimento das Vacinas

A economista, colunista, professora, pesquisadora e agora youtuber Monica de Bolle começou a publicar vídeos sobre economia durante a pandemia. Ela acabou se interessando pelas questões relacionados ao campo das pesquisas médicas relacionados com a Covid-19. Neste vídeo ela faz um bom resumo sobre os tipos de vacinas que estão sendo desenvolvidas com base num paper publicado na revista Nature. A linguagem é simples e fácil de ser entendida. No vídeo tem o link para o paper. A principal conclusão é que a vacina promoverá proteção (imunidade ou atenuação dos efeitos) mas não impedirá a continuidade da propagação, ou seja, a vacina não terá efeito esterilizador. Mesmo quem tomar a vacina poderá pegar o vírus pelas vias respiratórias superiores (que vai do nariz/boca até a parte superior da traquéia) e por consequência poderá transmitir o vírus para outras pessoas.

Aproveitando o tópico trago um vídeo sobre máscara antiviral, um equipamento que desperta meu interesse e que compartilho com outros interessados que tentam se proteger e também querem proteger as pessoas próximas. Me parece interessante principalmente para quem está sempre circulando nas ruas e não consegue lavar as mãos a todo momento e muitas vezes não temos álcool em gel disponível. Como a própria vacina que deve sair no futuro a máscara não protege 100%, cada meio de prevenção e defesa tem sua ação limitada por um teto que sempre é abaixo do total, portanto vale a pena combinar as precauções e se garantir.

Comprei esta mascara no Canada.

1 Curtida

O tipo de máscara mais recomendado/adequado para se proteger do vírus é popularmente chamado de N95 que é uma designação criada pelo NIOSH (parece nome de japonês mas não é) que significa National Institute of Occupational Safety and Health que significa Instituto Nacional de Saúde e Segurança Ocupacional, ou seja, é basicamente um padrão americano. No Brasil a sigla equivalente é conhecida como PFF (peça semifacial filtrante). Existem três categorias (PFF1, PFF2 e PFF3). A eficácia do tipo 1 é de 80%, do tipo 2 é de 94% e do tipo 3 é de 97%. No caso da N95 a eficácia é de 95%. Me parece que o americano é mais objetivo, porque não batizaram as siglas brasileiras como PFF80, PFF94 e PFF97 ou PSF94? Deixando isso pra lá vale dizer que a máscara faz parte do que se chama de EPI (Equipamento de Proteção Individual).
Para saber porque ele é mais indicado veja o vídeo abaixo que explica de forma bem ilustrativa como uma máscara deste tipo funciona. Saiba também que o nível de proteção de 95% ou de 80%, 94% e 97% é medido com base na proteção contra partículas de tamanho médio. Ao contrário do que instintivamente podemos acreditar, as máscaras em geral (qualquer uma usada corretamente) oferecem proteção contra partículas maiores e menores. As de tamanho médio são aquelas que são mais difíceis de serem barradas. O vídeo explica bem essa questão.

E se você já tem e usa esse tipo de EPI saiba que existem até projetos para a construção de equipamentos para descontaminação deste tipo de equipamento apesar de não ser exatamente o tipo de compra que costumamos fazer, se o uso da máscara se tornar habitual/diário pode ser que se torne essencial ter um desses em casa ou num escritório/consultório, como um smartphone ou uma garrafa térmica cheia de café ou o boteco da esquina.

Câmara UVC para descontaminação?

Se gosta do assunto e quer saber mais segue o site que tem uma pegada científica. Tem a versão original em inglês mas também tem em português e várias outras línguas.