Sopa de letras em busca de recursos: ICO, IEO, IFO, IAO e STO

#1

Nos anos de 2017 e 2018 tivemos uma enxurrada de lançamento de novos projetos relacionados ao universo cripto. Foram mais de mil projetos amparados em “white papers” bem escritos, “inovadores”, alguns traziam aperfeiçoamentos em relação a projetos já existentes, alguns oferecido por gente famosa, etc. Mas parece que a sigla ICO acabou ficando com uma certa má fama devido aos inúmeros projetos mal sucedidos que nem chegaram a sair do papel e por consequência nunca foram listados em Exchanges para negociação, deixando os investidores “na mão”. Para buscar alguma diferenciação surgiram novas siglas neste universo tentando se diferenciar em relação aos processos de ICO realizados. Algumas formas que surgiram seguem abaixo:

IEO - Initial Exchange Offering

É um processo parecido ao que se realiza numa ICO (Initial Coin Offering) tendo como diferença a presença de uma Exchange conhecida como garantidora do processo. Esse terceiro participante dá mais confiabilidade ao lançamento de um novo projeto. Essa participação implica na listagem da moeda na Exchange permitindo que sejam negociadas numa Exchange reconhecida pelo mercado. Além disso acredita-se que uma Exchange conhecida vai avaliar o projeto certificando-se que não se trata de algum projeto fadado ao fracaso ou mesmo algum golpe no mercado, como vários que ocorreram dentre as milhares de ICO’s realizadas em 2017 e 2018. Numa ICO tradicional não há intermediação de nenhuma Exchange e nas primeiras rodadas realizadas para captação de recursos a moeda ou token não são negociáveis nas Exchanges. Muitas sequer chegam a ser listadas nas principais Exchanges dificultando a negociação. Outra questão relacionada a captação via ICO é a concentração de criptomoedas ou tokens nas mãos de poucas pessoas que podem manipular os preços. Fazendo o lançamento na forma de IEO a distribuição é mais abrangente diminuindo esse tipo de risco.

https://guiadobitcoin.com.br/tendencias-mercado-ieo-initial-exchange-offering/

IFO - Initial Fork Offering

A idéia é simples. Trata-se da criação de uma nova criptomoeda a partir de uma bifurcação de uma moeda já existente.

Daí vem o “F” de “fork” do seu nome e/ou da sigla. Normalmente nasce com algumas propostas que sugerem melhorias em relação a criptomoeda já existente. Como são baseados em bifurcação, em determinado bloco da corrente, quem tem 1 criptomoeda de uma determinada cripto passa a ter 2 moedas, uma cripto original e outra cripto resultante da bifurcação. A nova criptomoeda tende a nascer com um valor menor, com pouca circulação e muitos acabam por ignorá-lo. Temos vários exemplos originados a partir do próprio bitcoin. Um desses exemplos é o caso do bitcoin cash que nasceu de um “fork” do bitcoin original e que depois acabou passando por outro “fork” que deu origem ao bitcoin SV. Poucos casos resultantes de fork realmente trazem melhorias para o protocolo e alcançam a maturidade. Outros dois projetos baseados em “fork” que são citados na comunidade cripto como projetos do tipo IFO são Bitcoin Century e Bitcoin Diamond.

IAO - Initial Airdrop Offering

Tem semelhança com o processo das IFO. Nesta modalidade ocorre uma distribuição mais organizada de cripomoedas novas, podendo ser inclusive resultantes de “forks” ou “hard forks”. Neste formato é vinculado a uma ICO se distribui certa quantidade de criptomoedas para os usuários que participam da ICO como algum tipo de incentivo. bonificação ou premiação. Este acréscimo pode ser em função de algum tipo de participação na divulgação da ICO (seguir nas redes sociais, fazer videos sobre o projeto, etc). Neste tipo de oferta é fundamental realizar uma aliança firme com uma ou mais Exchanges que disponibilizam lista de clientes para a realização da campanha.

ICO - Initial Coin Offering

O processo de ICO é mais conhecido. Tem semelhança com o processo de IPO (Initial Public Offering) ou oferta pública inicial de ações que se realiza no mercado de bolsa de valores. Tem como fundamento principal a captação de recursos para futuro lançamento de um projeto relacionado a criação de uma nova criptomoeda mas que pode também servir como forma de arredação para outros projetos, dependendo de regulamentação que é um grande impedimento para a sua efetiva utilização no processo de captação de fundos para novos projetos. Comparado a realização de uma IPO dentro das regras vigentes em cada país a realização de uma ICO oferece flexibilidade e agilidade. Alguns comparam ICO com crowdfunding de criptomoedas. No fundo o objetivo é obter recursos (capital de risco) junto a investidores em troca de critptomoedas ou tokens que possívelmente irão valorizar-se dando em troca ao investidor vantagens financeiras.

STO - Security Token Offering

Outra forma de captação de recursos e que também tem semelhanças com as outras formas de captação de recursos. Por ser um token de segurança existe a vinculação deste token por meio de um contrato a um ativo físico, como por exemplo um imóvel ou ativo financeiro como por exemplo títulos de crédito emitidos por uma empresa. Talvez seja o modelo que mais se aproxima de um ativo digital com alguma segurança devido a vinculação com algum ativo físico (lastro real). Os tokens são registrados em algum blockchain sob a forma de “smart contracts”.

1 Like
#2

Confesso que só conhecia algumas destas siglas. Vivendo e aprendendo.
Excelente conteúdo. Muito obrigado!

1 Like