Redes Sociais Baseadas em Blockchain Remunerando Usuários

O Reddit (read it = reddit = I have read it) é uma rede social que nasceu em 2005 e sua sede fica em São Francisco, na Califórnia. Não tem um visual impactante tendo aparência de fórum. Não é um site do tipo intuitivo. Os famosos “joinhas” são chamados de “karma” e são identificados por setas para cima (upvote) ou para baixo (downvote) que as postagens e os comentários recebem. Segundo dados da wikipedia o sistema nasceu em Lisp mas foi totalmente reescrito em Python , ainda no ano de 2005, o Web Frameworks é Pylons e os servidores rodam o sistema operacional Debian GNU/Linux , HTTP Lightpd e proxy. Até 2017 o código era open source mas a partir daí as atualizações deixaram de ser compartilhadas publicamente no mesmo ano em que a empresa recebeu um aporte de 200 milhões de dólares, quando era avaliado em 1,8 bilhões de dólares.

GitHub (desatualizado): https://github.com/reddit-archive/reddit

Um artigo publicado em 11/02/2019 na reuters indicava que o valor da rede social era de 3 bilhões de dólares após ter recebido um aporte de 300 milhões de dólares.


Fonte: https://www.reuters.com/article/us-reddit-funding-idUSKCN1Q020W

Tanto em termos de valor de mercado como na quantidade de usuários a reddit é muito menor do que o Facebook mas ela também está lançando a sua criptomeda, com nomes específicos para duas comunidades distintas: Moons (r/CryptoCurrency) e Bricks (r/FortNiteBR). Basicamente servirá para recompensar usuários que contribuem fazendo postagens e/ou comentários na rede social. Ou seja, é diferente por exemplo da Libra criada pelo Facebook e seus parceiros, pelo menos por enquanto. Ainda em fase beta teste os tokens (ERC-20) negociáveis estão sendo criados no Blockchain do Ethereum (“smart contracts”) e poderão ser transferidos como qualquer outra criptomoeda a partir das suas respectivas carteiras digitais disponíveis em aplicativos IOS ou Android.

Nesta fase beta apenas usuários que fazem postagens e comentários na subreddit r/CryptoCurrency receberão tokens moons mensalmente com base na quantidade de “karma” do usuário e usuários da subreddit r/FortNiteBR receberão tokens Bricks. Subreddit é a forma de categorização dos assuntos para que tudo não fique misturado. A r/CryptoCurrency é uma categoria ou subfórum criado para que os usuários façam postagens relacionadas ao assunto criptomoedas. Na hora de fazer/criar a postagem já aparece a opção para escolher a categoria e isso ajuda muito na divulgação da postagem diretamente para o público alvo da postagem. A primeira distribuição com base na quantidade de “karma” do usuário será de 50 milhões de Moons e Bricks e a partir dos meses seguintes a distribuição começará em 5 milhões e será reduzido em 2,5% a cada ciclo de distribuição até atingir um teto de 250 milhões de Moons e Bricks em 2035.

Inicialmente os tokens Moons e Bricks poderão ser usadas dentro da comunidade para liberar ao usuário o uso de GIFs e emojis nos comentários, por exemplo. Além disso, nesta fase, os tokens estarão disponíveis somente para usuários duas categorias escolhidas que tenham mais de 100 “karmas”: r/CryptoCurrency e r/FortNiteBR (aos desavisados ou fanáticos por usar BR no nick fica o aviso de que neste caso BR significa Battle Royale). Nestas duas subcategorias existem mais de 2 milhões de usuários que representa um universo de aproximadamente 0,5% do total de usuários estimado em cerca de 400 milhões de futuros usuários.

Nos três primeiros dias após o lançamento foram criadas cerca de dez mil carteiras sendo 86% de usuários do subreddit r/ForteNiteBR e 14% de usuários do subreddit r/CryptoCurrency.

Ainda no mundo de quem se aventura por caminhos diferentes da maioria, tentando fugir do Facebook ou do Google existem outros projetos que tentam atrair usuários com pagamentos em criptomoedas e com promessas de maior segurança para seus usuários. Dentre algumas coisas que sabemos sobre o Facebook uma é que eles ganham muito dinheiro usando informações colhidas dos dados coletados a partir do nosso cadastro, das nossas preferências, do nosso círculo de amizades, das nossas curtidas, das propagandas, etc. É uma máquina de dinheiro criada em cima dessa nossa vontade de fazer parte desse mundo conectado. Alguns meses atrás, quando o Facebook foi multado em 5 bilhões de dólares por causa dos vazamentos eu descobri que esse valor era equivalente ao faturamento de um mês. Muitos usuários sabem que estas informações que entregamos de bandeja para o Facebook não estão seguras por mais que Mark Zuckerberg diga que no fundo a culpa é nossa porque não lemos os tais direitos de uso da plataforma. Se a maioria de nós não lê contratos, bula de remédio ou manual de instruções é difícil acreditar que vamos ler os termos e condições de uso de aplicativos em geral, quem nunca procurou o botão de aceitar antes de ler os termos e condições…

Com o surgimento da tecnologia Blockchain e o crescimento da sua adoção não demorou para que projetos de rede social fossem criadas com base nos conceitos básicos de uma rede Blockchain (descentralização, confiança, segurança, recompensa etc.). Neste cenário, de início o Blockchain pode entregar duas vantagens em relação ao Facebook: transparência e segurança. Se incluirmos um sistema de remuneração por contribuição acoplado a um sistema de reputação temos mais duas questões: 1) recompensa para quem interage; 2) combate coisas chatas tais como fake news, spam e anúncios indesejados. O fato de que as redes sociais ou aplicativos deste tipo (Facebook, Twitter, Whatts App, etc.) tornam seus criadores milionários além de expor seus usuários a diversos riscos não faz parte das preocupações da maioria dos seus usuários. As redes sociais baseadas em Blockchain tentam atacar este ponto se propondo a remunerar os usuários por suas interações na rede. É claro que ninguém vai ficar bilionário fazendo postagens, dando curtidas ou interagindo nestas redes.

Apenas como exemplo trago alguns detalhes de algumas redes sociais baseadas em Blockchain, mas existem muitas que já foram criadas, cito algumas delas para quem estiver interessado: mediachain, Binded, Vevue, Sola (beta test) e SoMee. Também é bom ficar atento porque existem alguns projetos que também prometem entregar no pacote descentralização, liberdade e privacidade mas nem todos estão sendo criados para rodar num Blockchain.

2 Curtidas

continuação…

Steemit

Foi lançado em 24 de março de 2016. É considerado o primeiro projeto de rede social criado com tecnologia Blockchain. Como foi criado para se conectar a um Blockchain ao invés de ser um APP seu aplicativo é chamado de DAPP, ou seja, enquanto um APP faz a conexão com a nuvem um aplicativo DAPP faz conexão com um Blockchain. No caso o Blockchain é da empresa privada Steemit.inc com sede na cidade New York, nos Estados Unidos. A rede remunera usuários que interagem na rede com base em votos dados por outros usuários. A remuneração é paga com a criptomoeda STEEM. Logo após o seu lançamento a rede foi alvo de ataques hacker com perda estimada na casa de 85 mil dólares. Com a queda nos preços das criptomoedas no ano de 2018 a empresa passou por dificuldades perdendo muitos membros da equipe, mas a empresa e a rede social continuam ativas.

Mas nem tudo são flores, descentralização e consenso até mesmo neste mundo das redes sociais baseadas em Blockchain. Os meses de fevereiro e março deste ano (2020) foram especialmente movimentados nesta rede. Ao que parece, com a concordância do próprio criador da rede Steem (Ned Scott) o criador da plataforma TRON Justin Sun tentou tomar o controle da rede Steem com apoio das Exchanges Binance, Poloniex e Huobi que detinham tokens (direito a voto). Além disso Justin Sun teria “emprestado” dinheiro para que alguns usuários da rede se tornassem validadores na rede com poder de voto (uma espécia de “suborno” disfarçado). Essa jogada diminui o poder de voto dos representantes eleitos pela própria comunidade para poder dominar o consenso pela maioria dos votos com apoio das Exchanges acima citadas e de validadores “infiltrados”. Entre outros objetivos a intenção de Justin era migrar a plataforma Steem para o Blockchain da TRON através de um Hard Fork. Essa operação gerou uma gritaria nas redes sociais tanto de usuários como de desenvolvedores que tinham contribuído para o desenvolvimento de aplicativos para uso na rede. Nas palavras de John McAffe sobre esta tentativa de tomada de controle de uma rede Blockchain isso é o mesmo que tentar pegar água com uma peneira, “comunidades não podem ser compradas”. O que ocorreu com a rede Steem também foi comentado por Vitalik Buterin, um dos criadores do Ethereum, que também está caminhando para a implantação do sistema PoS - Proof of Stake na rede Ethereum, “esta tentativa pode ter sido a primeira deste tipo (com “suborno”) que poderá ocorrer com mais frequência no futuro, à medida que outras redes implementem o sistema PoS - Proof of Stake, como será o caso do Ethereum. Além de ser a primeira tentativa a rede Steem também pode ser considerada aquela que está envolvida entre as que mais se envolvem em polêmicas. O “hard fork” acabou acontecendo em maio de 2020 dando origem rede social HIVE. As polêmicas não acabaram com a realização do hard fork e continuam surgindo notícias por exemplo sobre milhões de criptomoedas Steem supostamente roubadas que estariam armazenadas em carteiras da Exchange Bitrrex. Na dúvida é melhor ficar olhando de fora.

Site da empresa: https://steem.com
Códigos: https://github.com/steemit
Blockchain: https://steemblockexplorer.com
Site da rede social: https://steemit.com
Whitepaper: https://steem.com

Sobre a tentativa de tomada de controle:
https://bravenewcoin.com/insights/steemit-takes-control-as-exchanges-reject-a-hostile-takeover

Notícia sobre o hard fork de maio:

Vídeo institucional: https://www.youtube.com/watch?v=xZmpCAqD7hs


Preço pesquisado no site CoinMarketCap em 27 05 2020

Página da HIVE (dissidentes da rede Steem): https://www.hive.wiki/index.php?title=Main_Page
Blog da HIVE: https://hive.blog/blockchain/@liberosist/some-thoughts-on-blockchain-social-networks

DLive

O foco desta plataforma descentralizada, além de ser uma comunidade virtual de vídeos é o streaming. Parece interessante para quem curte jogos, a maioria do conteúdo é de jogos como free fire, PUGB, rust, etc. Está mais para concorrente do Twitch do que para uma rede social clássica como o Facebook. Como não poderia deixar de ser grande parte da recompensa é paga para os criadores de conteúdo em vídeo. Mas usuários não são desprezados, ações como indicação de novos usuários, comentários bem avaliados e votos também são remunerados. Decisões como conteúdo que deve ser removido ou valorizado com recompensas cabem a comunidade por meio de votação. Esta plataforma nasceu usando o Blockchain da Steem e inicialmente a criptomoeda usada para recompensar os usuários era a Steem. Atualmente a plataforma opera no Lino Blockchain com um token chamado Lemon e uma criptomoeda chamada de LINO. Além disso o Blockchain tem o LINO Stake que também é uma forma de pagamento que serve especificamente para quem pretende ser um validador ou super nó do LINO Blockchain. A posse de LINO Stake dá direito a voto nas atualizações do Blockchain. A ideia dos criadores é contrapor-se ao formato adotado por outras plataformas de vídeo que sugerem conteúdo aos usuários através de algoritmos e tem um controlador que centraliza as decisões. O conhecido youtuber PewDiePie deu moral para esta rede ao se tornar usuário, mas está sem aparecer por lá a quase um ano.

Site: https://community.dlive.tv
Códigos: https://github.com/DLive?tab=overview&from=2014-12-01&to=2014-12-31
Blockchain: https://tracker.lino.network/#/
Site da rede social: https://dlive.tv
Comunidade DLive: https://community.dlive.tv
Whitepaper: https://link.lino.network/whitepaper

Video institucional: https://www.youtube.com/watch?time_continue=4&v=Sj_Z9GSHnIs&feature=emb_logo

Sapien (Beta)

A rede social tokenizada (ERC-20 no Blockchain Ethereum) Sapien, criada no início de 2018. Seus valores são: democracia, privacidade, liberdade de expressão e personalização. Tem como objetivo recompensar seus usuários sempre que fizerem contribuições (criar conteúdo, fazer comentários ou votar em postagens) para a rede, além de outras finalidades, como por exemplo combater “fake news” com um sistema de reputação. Futuramente a rede pretende recompensar aqueles que se dispuserem a “assistir anúncios”. Nas palavras dos seus criadores é uma tecnologia que pretende interromper o “status quo”. As recompensas são divididas em “Sapien Rewards” e “Sapien Jackpot Rewards”. O processo de verificação de conta/endereço de usuário válido garante 100 SPN. Os SPN são necessários para que o usuário faça qualquer interação na rede, mesmo que a inclusão de um conteúdo ou um comentário não custe nada a rede vai aceitar sua contribuição somente se você tiver um saldo mínimo de 100 SPN na sua conta. O valor da recompensa depende da quantidade de usuários ativos na semana considerando-se a quantidade de SPN que cada um possui. Além disso existe uma espécie de ranking de postagens, quanto melhor for o ranking evidentemente mais recompensa será paga ao autor da contribuição. O uso do Blockchain visa garantir que os dados dos usuários sejam melhor protegidos pelo uso da criptografia. Outra característica que é comum neste tipo de rede baseada em Blockchain que o Sapien também preconiza é governança transparente e descentralizada. A intenção dos idealizadores é incluir um mercado on-line além de aceitar aplicativos desenvolvidos por terceiros. A existência da loja faz todo o sentido já que deverá aceitar pagamentos em SPN.

Sobre o Sapien: https://scet.berkeley.edu/sapien-network-rewards-you-for-using-social-media/
Roadmap: https://blog.sapien.network/new-year-new-platform-welcome-to-polaris-997c52e7d484
GitHub: https://github.com/SapienNetwork
Whitepaper: https://forum.sapien.network/t/sapien-whitepaper/106
Fórum: https://forum.sapien.network
Site da rede social: https://www.sapien.network
Vídeo: https://www.youtube.com/watch?time_continue=1&v=FovHjpgUV0o&feature=emb_logo


Preço pesquisado no site CoinMarketCap em 27 05 2020

Já no terreno dos buscadores existem projetos que oferecem mais privacidade como DuckDuckGo sem remunerar seus usuários ou outros que tentam ocupar o lugar do Google oferecendo pagamentos em troca dos seus dados de pesquisa, como é o caso do projeto Presearch que paga PRE 0,25 por cada pesquisa feita no site deles, que por enquanto não faz nada mais do que redirecionar sua pesquisa para o seu site de pesquisa favorito como Google ou DuckDuckGo conforme configuração que você mesmo pode fazer. Cada 1 PRE (equivalente a 4 pesquisas que podem ser repetidas) vale cerca de USD 0.00000208 satoshis, portanto não vai sonhando em ficar rico fazendo buscas por lá.


Página atual que redireciona sua busca para outro buscador: https://www.presearch.org


Página em desenvolvimento que não vai redirecionar: https://engine.presearch.org/

Página do site/projeto: https://www.presearch.io

Whitepaper (em inglês): https://www.presearch.io/uploads/WhitePaper.pdf

Cotação da criptomoeda PRE pesquisado no site CoinMarketCap em 27 05 2020:

Tem um navegador chamado Brave que também remunera criadores de conteúdo. Segue abaixo link da notícia:

São iniciativas legais do ponto de vista de privacidade, e tecnológico. Porém falta o mais agregar o mais importante. Valor. Esses plataforma implementam, apenas uma novidade, a blockchain, mas tudo acaba por aí. Quando analisando por dentro, eles são o mesmo que já existem.

1 Curtida