Processadores e Sistemas Usados pela SpaceX

O texto ficou um tantinho “esticado” e vai ser dividido em três partes. Quem estiver interessado apenas nos equipamentos e programas que rodam nos foguetes da SpaceX pode pular esta parte de introdução e ir direto para o próximo post.

Para quem gosta do assunto exploração espacial (notícias, artigos, livros, filmes, documentários, etc.) e assuntos relacionados ao tema o último dia 30 de maio foi um dia especial. Depois de nove anos um foguete tripulado por astronautas americanos partiu do solo americano em direção a ISS - International Space Station . Como novidade principal trata-se de um foguete projetado e construído por uma empresa privada, a SpaceX num contratinho estimado entre de 2.6 bilhões e 3.1 bilhões de dólares com a NASA . O lançamento da empresa privada SpaceX que colocou os dois astronautas no espaço foi o lançamento n.º 52, com os anteriores partindo sem tripulantes. Todos os projetos anteriores dos americanos nasceram dentro da NASA - National Aeronautics And Space Administration , uma agência do governo americano, que contratava empresas privadas apenas para a construção dos seus projetos. Por enquanto a SpaceX saiu na frente colocando em órbita dois astronautas com seu foguete Falcon 9 e a cápsula Crew Dragon . Enquanto a Starliner da Boeing ainda não levou nenhum astronauta para o espaço tendo um contratinho de mais de 4.0 bilhões de dólares. Quem segura Elon Musk que criou o PayPal e vendeu para o eBay , faz os carros elétricos (quase autônomos?) Tesla e ainda pretende colonizar Marte? Quem viver verá.

O último voo tripulado para o espaço orbital que partiu do território americano tinha ocorrido em 08 de julho de 2011, era a missão n.º 135 do ônibus espacial Atlantis . Ao todo foram construídos seis ônibus espaciais batizados como: Enterprise, Columbia, Challenger, Discovery, Atlantis e Endeavour . A Challenger explodiu no lançamento em 28/01/1986 e a Columbia se desintegrou ao reentrar na atmosfera em 01/02/2003, duas tragédias que mataram quatorze astronautas no total. A Endeavour foi construída para repor a perda da Challenger . A Enterprise que foi o primeiro ônibus espacial ficou pronto em 1976 e foi usada apenas para a realização de diversos testes durante o ano de 1977, com o protótipo de testes sendo lançado a partir de um Boeing 747. O Columbia foi o primeiro ônibus espacial a ser lançado para o espaço orbital, em 12 de abril de 1981. O diferencial do programa de ônibus espaciais era a capacidade de carga e a reutilização desses ônibus espaciais. O cancelamento do programa teve dois motivos principais, o alto custo de cada missão e os riscos envolvidos que resultaram nas duas tragédias que mataram todos os tripulantes. A fabricação do último ônibus espacial, o Endeavour custou em torno de 1,7 bilhão de dólares em 1991. Cada missão / lançamento do ônibus espacial custava em torno de 450 milhões de dólares. Estima-se que ao todo o programa consumiu pouco mais de 60 bilhões de dólares. Além de ter sido fundamental no transporte de peças e equipamentos para a construção da estação espacial ISS o programa do ônibus espacial, por exemplo, também foi o responsável pela colocação em órbita do telescópio espacial Hubble . Aliás, o Brasil entrou no projeto da ISS em 1997, era um dos dezesseis países que participariam da construção da estação espacial, cabendo ao nosso país a tarefa de construir seis peças a um custo de cerca de 120 milhões de dólares, mas depois de dez anos sem entregar um parafuso sequer o nome do Brasil deixou de aparecer na lista de países participantes do projeto. No período em que ficou sem meios próprios para colocar astronautas na estação espacial os Estados Unidos viajavam de “carona” com os Russos pagando pela “passagem” na apertada Soyuz um preço estimado entre 80 a 90 milhões de dólares por cada “passageiro”. Isso ainda deve acontecer mais uma vez neste ano de 2020 quando está agendado a substituição da atual tripulação da ISS que serão substituídos por dois russos e um americano, mesma composição de tripulantes ocupando atualmente a estação espacial. Já imaginaram os Russos ocupando sozinhos a ISS que praticamente foi construída em grande parte pelos Americanos com ajuda de Europeus nas várias viagens usando ônibus espacial da NASA ? “Nunca que os Americanos iam deixar isso acontecer”.

Quem assistiu o lançamento ao vivo ou depois, entre outras coisas viu que os dois astronautas a bordo da cápsula Crew Dragon levados pelo foguete Falcon 9 comandavam a nave usando grandes telas touchscreen na cabine que contava com bom espaço para bagagens e até mesmo com um banheiro. Em princípio a viagem até as proximidades da ISS impulsionada pelos foguetes do Falcon 9 não demoraria mais do que alguns poucos minutos. Outra inovação do projeto de foguetes da SpaceX é a reutilização dos foguetes lançadores que retornam e pousam na vertical em locais previamente definidos, normalmente numa balsa ancorada no mar. Chegar perto é uma coisa, mas atracar é outra. Entre o lançamento do foguete e o acoplamento na estação espacial ISS que fica orbitando o nosso planeta a pouco mais de 400 km de altura a viagem demora quase vinte horas sem levar em conta os preparativos para a viagem que começam muitas horas antes dos astronautas entrarem na cabine, que mesmo instalados lá dentro ainda esperam algumas horas antes do lançamento. Uma viagem num avião comercial entre as cidades do Rio de Janeiro e São Paulo distantes pouco mais de 400 km leva menos de uma hora, sem entrar em detalhes como check in , embarque e desembarque, etc. Mas a estação espacial ISS voa a uma velocidade aproximada de 27.700 km/h completando quase 16 voltas ao redor da terra num ciclo de 24 horas. Acoplar uma nave/cápsula sem causar um acidente em outra que se move a esta velocidade, mesmo sendo no espaço com gravidade quase zero, não é tarefa tão simples como ir de um ponto a outro. Simplificando e resumindo bastante, a técnica mais usada é colocar a nave em orbita um pouco abaixo da estação espacial numa velocidade maior do que a ISS numa espécie de perseguição. Com muitos cálculos sendo feitos a nave vai sendo colocada na mesma altitude e quando isso ocorre a perseguição se inverte, a nave entra na frente da ISS por causa da sua velocidade um pouco maior. Quando isso ocorre a nave é alinhada com a ISS e depois é virada de frente (onde fica a ponta da nave) para permitir o acoplamento na doca da ISS . Tudo isso ocorre com a cápsula e a ISS viajando a 27.700 km/h aproximadamente. Cabe a cápsula fazer os ajustes para ficar na posição correta com pequenos acionamentos do motor que fica desligado a maior parte do tempo para economizar combustível.

Missões dos Ônibus Espaciais:

Custos:
https://www.terra.com.br/noticias/educacao/infograficos/onibus-espaciais/onibus-espaciais-01.htm

https://olhardigital.com.br/ciencia-e-espaco/noticia/nasa-paga-mais-de-r-500-milhoes-por-um-assento-numa-capsula-soyuz/100689

https://www.jornalopcao.com.br/reportagens/foguete-da-spacex-e-boeing-inaugura-nova-fase-da-exploracao-espacial-259336/#:~:text=Segundo%20a%20revista%20americana%20Forbes,a%20tripulação%20comanda%20a%20nave.

Sobre a ISS:

Brasil fora do programa ISS:
http://g1.globo.com/Noticias/Ciencia/0,,MUL43223-5603,00.html#:~:text=O%20Brasil%20está%20fora%20do,de%20fabricantes%20da%20base%20orbital

Continua…

1 Curtida

Mas o que nos interessa aqui é tratarmos um pouco sobre os programas usados pela empresa SpaceX na cápsula Crew Dragon, nos foguetes como Falcon 9 e no projeto dos satélites Starlink . Por mais destreza e treinamento que os astronautas certamente possuem praticamente tudo é controlado por sistemas. O que “roda” por exemplo atrás das telas touchscreen da cápsula Crew Dragon , de acordo com o que foi publicado no site CNet por Stephen Shankland em 09/06/2020 são “parentes” ou do mesmo tipo que se encontra nos celulares ou em PC’s. Já os poderosos foguetes que colocam as cápsulas em órbita usam uma variação do sistema operacional Linux com patch PREEMPT_RT . Portanto a vida dos astronautas depende entre outras coisas do Linux ( Bill Gates não gostou disso), por exemplo, que deve executar corretamente um algoritmo durante uma emergência para interromper um lançamento fazendo com que a cápsula onde estão os astronautas seja ejetada antes que o foguete exploda. Desta forma a vida dos astronautas é preservada ao contrário do que ocorreu por exemplo no lançamento do ônibus Challenger que explodiu durante a decolagem e matou todos os seus tripulantes. O navegador Chrome do Google é baseado num projeto de código aberto chamado Chromium que por sua vez serviu como base para o desenvolvimento da interface (sistema touch ) de controle da cápsula Crew Dragon . Entre outras vantagens o desenvolvimento de sistemas baseado num projeto de código aberto e já consolidado como é o caso do Chromium (considerado até como beta teste do Chrome ) dá acesso a uma boa base de desenvolvedores/programadores com experiência. As vantagens da adoção de comandos dados a partir de uma tela touch é muito melhor do que um monte de botões espalhados dentro da cabine exigindo que os astronautas decorem a função de cada uma delas. Mesmo assim, alguns comandos críticos ainda são acionados essencialmente por botão como o sistema anti-incêndio da cápsula, vai que a tela trava na hora em que um incêndio está começando na cápsula. Mas existem botões para todos os principais controles da cápsula para o caso de algum problema insanável de sistema (algo chamado por aí de redundância, que muitos esquecem e pagam caro por isso).

Os comandos dados pelos astronautas através das telas touch que são escritos com base no Chromium + JavaScript chega até os softwares de controle da cápsula (aplicativos) que por sua vez são escritos em linguagem C++ (que é terrível segundo Elon Musk no Twitter ) rodando no sistema operacional Linux . O time de desenvolvimento da SpaceX tem sua própria biblioteca de aplicativos, mas não dispensa o uso da biblioteca do C++ padrão ou de outras com qualidade extremamente altas. A versão Linux usada pela SpaceX é uma variante própria, mas é próxima dos que são executados nos sistemas baseados em Android . Ao contrário de smartphones que são bastante comuns hoje em dia o desenvolvimento de softwares para foguetes e cápsulas espaciais não é uma atividade rotineira. As características específicas e complexas de uma cápsula espacial e/ou de um foguete levaram a SpaceX a criar uma variante própria do Linux . O uso do Linux também agiliza a adoção de soluções já prontas, disponíveis e já testadas ou em execução. O Linux também está presente em cada um dos milhares de computadores instalados nos satélites do projeto Starlink . Um dos desafios de quem se dispõe a produzir foguetes, cápsulas espaciais e satélites é a atualização dos softwares. Não se constrói um foguete, uma capsula espacial ou um satélite em alguns dias. Anos transcorrem entre o início do projeto, produção, testes e preparação para o lançamento. E nesse meio tempo os softwares que estão sendo desenvolvidos acabam exigindo atualizações constantes. Um dos métodos usados para a testar estas atualizações é conhecido como teste A/B que nasceu como um método simples de comparação entre a versão atual e a nova versão atualizada de um programa ou aplicativo (se o site na versão atualizado carrega mais rápido, por exemplo) mas que está caminhando para ser utilizado na realização de testes mais complexos. Atualizar softwares instalados em satélites, por outro lado, requer acesso remoto. Aí mora o perigo. Quem nunca assistiu um filme onde criminosos com ajuda de algum especialista por livre e espontânea vontade (diga-se arma apontada para ele ou para alguém da família) ou por má índole mesmo, toma o controle de um satélite daqueles que fazem grandes estragos senão o filme perde a graça. Aqui entra o uso da criptografia para proteger os dados/atualizações que são enviadas para os satélites. Todos os softwares do projeto Starlink tem uma assinatura própria da SpaceX para bloquear softwares externos, além disso os satélites rodam testes automatizados periodicamente para detectar “problemas”.

Para processar/rodar os programas o foguete Falcon 9 , por exemplo, carrega três processadores comuns da série X86 de núcleo duplo executando separadamente as instruções/comandos (sistema operacional Linux e aplicativos C++ ). Mas se comparados a alguns processadores Intel 80386SX de 20 MHz produzidos em 1988 instalados e ainda funcionando na ISS são top de linha. Aliás nem mesmo o Windows fica de fora da ISS ( Bill Gates gostou disso), consta que é usado por lá para acessar e-mail e internet ou para diversão (jogos). Para trabalhar hoje em dia os astronautas usam HP ZBook 15s executando Debian Linux, Scientific Linux e Windows 10 . Os sistemas Linux funcionam como terminais remotos para o multiplexador (dispositivo que seleciona dados de duas ou mais fontes num único canal) / desmultiplexador (faz o contrário) de controle que por sua vez ainda rodam em alguns dos processadores de 1988. Processadores que também precisam de proteção extra. Entre os problemas existentes no espaço um deles é a radiação ionizante ou raios cósmicos (não há proteção da atmosfera como na Terra) e os processadores não são imunes podendo falhar (tipo falhar no controle do oxigênio dentro da estação, aí complica né). Isso requer cuidados e muitos testes antes de serem certificados para uso no espaço.

Um ponto que merece destaque principalmente para quem não tem intimidade com o mundo dos computadores é a diferença entre sistema embarcado (embutido) e um PC ou Notebook que temos em casa. Ambos compartilham a mesma ideia central que é juntar hardware + software para alguma (ou muitas) finalidade(s). Enquanto um PC ou Notebook pode ser usado para várias finalidades, algumas até criminosas, diga-se de passagem, os sistemas embarcados são dedicados a um tipo específico de atividade/finalidade. Um exemplo de sistema embarcado é a urna eletrônica usada para coleta de votos. Não dá para usar a urna para navegar na internet, jogar, consultar e-mail, etc. a não ser que a urna seja aberta e sejam instalados sistema operacional e aplicativos. Outro exemplo é encontrado em larga escala executando e/ou controlando atividades críticas nos aviões. Também é o caso dos sistemas embarcados nos foguetes e cápsulas espaciais. Uma das características dos sistemas embarcados, que é adotado na SpaceX é a possibilidade de uso do conceito bare-metal programming , quando os computadores executam as instruções diretamente no hardware lógico sem um sistema operacional intermediário (atrapalhando? ou atrasando o processamento com execução das suas sub-rotinas). Entre as vantagens desse conceito temos uma execução mais rápida de um aplicativo (entradas e saídas diretas), menor consumo de energia (parece que não tem recarregador no espaço) e de memória. Lembrando por exemplo que a ISS viaja a mais de 27.000 km/h e a cápsula Crew Dragon tem que atracar viajando na mesma velocidade sem causar um acidente dá para entender a vantagem desse tipo de conceito (uso em atividades extremamente críticas), além da necessidade do conjunto de sistemas que controlam todo o processo ser extremamente confiável.

Artigo da CNet (original em inglês):

Post no Science.slashdot:

Projeto Chromium (aberto):

Teste A/B

Sobre o patch PREEMPT_RT
https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/128972

Sistemas embarcados:

Bare machine ou bare metal

Multiplexador:

Continua…

Entrando na parte cultural, encerramos falando sobre o filme Passengers lançado em 2016 que chegou no Brasil em 2017 como Passageiros. O filme é ambientado no ano 2.343 e transcorre praticamente dentro de uma imensa nave espacial levando cerca de 5 mil passageiros em estado de hibernação. É um filme do gênero ficção científica/romance estrelado pela dupla Chris Pratt e Jennifer Lawrence que acordam antes da hora, sempre tem alguém que acorda antes da hora. O elenco conta ainda com outras estrelas como Laurence Fishburne, Michael Sheen e Andy Garcia. O roteiro é de Jon Spaihts e a direção é de Morten Tyidum. Chegou a ser indicado para o Oscar de melhor trilha sonora original e melhor direção. Com um orçamento que consumiu mais de 100 milhões de dólares não chegou a ser um sucesso estrondoso de bilheteria, mas arrecadou mais de 300 milhões de dólares.

Mas e qual é a novidade aqui? Bom não sei é novidade, mas a curiosidade aqui está ligado ao lançamento do filme no mercado chinês. Para lançar o filme por lá os produtores convidaram a letrista e compositora Tang Tsz-kei ou Gloria Tang que também atende por G.E.M. como é mais conhecida para escrever e gravar uma música pop/romântica em mandarim para ser incluída na trilha sonora do filme. Nasceu aí a canção conhecida como 光年之外Guang Nien Zhi Wai . Em inglês a canção acabou sendo batizada de Light Years Away ou em tradução livre Anos Luz de Distância . Entre outros motivos a cantora e compositora chinesa G.E.M. foi escolhida por ser uma cantora pop conhecida na Ásia e porque tinha gravado várias músicas românticas na sua carreira. Foi uma escolha acertada e a música ajudou bastante no sucesso do filme lá no mercado chinês. De 2017 até agora o principal vídeo desta música no YouTube tem mais de 217 milhões de views . Ostenta ainda o recorde de ser o primeiro vídeo de um artista de Hong Kong a atingir mais de 100 milhões de views , também é o vídeo de uma cantora chinesa que atingiu a marca dos 100 milhões de views mais rapidamente e finalmente é o décimo segundo videoclipe chinês a atingir mais de 100 milhões de views . Se a cantora original bate recordes os covers também fazem a festa. Um vídeo da Ariel Tsai tem mais de 8.4 milhões de views. Em novembro de 2018 G.E.M. foi uma das estrelas convidadas para anunciar e entregar um dos prêmios e também para cantar na cerimônia de gala da sétima edição do BREAKTHROUGH PRIZE – 2019 considerado o Oscar da ciência, realizada no NASA Ames Research Center em Mountain View, California.

Nosso velho tabajara translator chegou a soltar fumaça, mas no fim saiu a nossa versão tupiniquim da letra chinesa para não ficarmos só ouvindo mandarim sem entender nada e para contribuirmos com os mais de 217 milhões de views. A escrita em traços evidentemente é mandarim, a romanização pelo método pinyn (simplificado por nossa conta onde trocamos qu do pinyn original por ts , por exemplo a palavra chinesa 却 em pinyn é QUÈ mas a pronúncia é TSIUE ou TSIE falado de forma rápida) sem os acentos que são usados para indicar a pronúncia e a tonalidade correta (o mandarim é considerada uma língua tonal). A tradução verso por verso do mandarim foi feito primeiro para o inglês usando o site Yabla.

https://chinese.yabla.com/chinese-english-pinyin-dictionary.php

光年之外 - Guāng Nien Zhī Wài - Light Years Away - Anos Luz de Distância

Letra: G.E.M. / Composição: G.E.M. / Arranjos: Lupo Groinig

感受停在我发端的指尖
Gan-shou ting zai wo fa-duen di zhi-jien
Eu sinto que a ponta dos seus dedos pararam de se mover

如何瞬间 冻结时间
Ru-he shun-jien dong-jie shi-jien
Como o tempo congelou neste momento?

记住望着我坚定的双眼
Ji-zhu wang zhe wo jien-ding de shuang-yen
Eu me lembro de um par de olhos me olhando fixamente

也许已经 没有明天
Ye-xu yi-jing mei-you ming-tien
Talvez não exista um amanhã

面对浩瀚的星海
Mien-dui hao-han de xing hai
Diante desse vasto mar de estrelas,

我们微小得像尘埃 漂浮在 一片无奈
Wo-men wei-xiao de xiang chen-ai Piao-fu zai yi-pien wu-nai
Nós somos pedaços infinitesimais de poeira flutuando indefesos

缘份让我们相遇乱世以外
Yuen-fen rang wo-men xiang-yu luan-shi yi-wai
O destino nos reuniu aqui do outro lado desse mundo caótico

命运却要我们危难中相爱
Ming-yun tsie yao wo-men wei-nan zhong xiang-ai
E o destino ainda fez com que meio dessa calamidade nós nos apaixonássemos

也许未来遥远在光年之外
Ye-xu wei-lai yao-yuen zai guang-nien zhi-wai
Talvez exista um futuro a anos-luz de distância

我愿守候未知里为你等待
Wo yuen shou-hou wei-zhi li wei ni deng-dai
Eu vou ficar olhando no meio do desconhecido esperando por você

我没想到 为了你 我能疯狂到
Wo mei-xiang-dao wei-le ni wo neng fong-kuang dao
Eu não sabia que seria capaz de fazer tantas loucuras por você

山崩海啸 没有你 根本不想逃
Shan-bong hai-xiao mei you ni gen-gen bu-xiang tao
Sem você eu simplesmente não escaparei dos deslizamentos e dos tsunamis inesperados

我的大脑 为了你 已经疯狂到
Wo-de da-nao wei-le ni yi-jing fong-kuang dao
Meu cérebro já enlouqueceu e só pensa em você

脉搏心跳 没有你 根本不重要
Mai-bo xin-tiao mei-you ni gen-ben bu-chong-yao
Não ter pulso ou coração batendo simplesmente não é importante

一双围在我胸口的臂弯
Yi shuang wei zai wo xiong-kou de bi-wan
Um par de braços dobrados em volta da boca do meu estômago

足够抵挡 天旋地转
Zu-gou di-dang tien-xuan-di-zhuen
É suficiente para eu aguentar o céu girando

一种执迷不放手的倔强
Yi-zhong zhi-mi bu fang-shou de jue-jiang
É um jeito obsessivo e obstinado de não desistir

足以点燃 所有希望 宇宙磅礡而冷漠
Zu-yi dien-ran suo-you xi-wang Yu-zhou pang-bo er leng-mo
Suficiente para inflamar todas as esperanças nesse universo frio e sem limites

我们的爱微小却闪烁
Wo-men-de ai wei-xiao tsie shan-shuo
O nosso amor é infinitesimal mas é brilhante

颠簸 却如此忘我
Dien-bo tsie ru-ci wang-wo
Enquanto flutua altruista pelo seu caminho

缘份让我们相遇乱世以外
Yuen-fen rang wo-men xiang-yu luan shi-yi-wai
O destino nos reuniu aqui do outro lado desse mundo caótico

命运却要我们危难中相爱
Ming-yun tsie yao wo-men wei-nan zhong xiang-ai
E o destino ainda fez com que no meio dessa calamidade nós nos apaixonássemos

也许未来遥远在光年之外
Ye-xu wei-lai yao-yuen zai guang-nien zhi-wai
Talvez exista um futuro a anos-luz de distância

我愿守候未知里为你等待
Wo yuen shou-hou wei-zhi li wei ni deng-dai
Eu vou ficar olhando no meio desse desconhecido esperando por você

我没想到 为了你 我能疯狂到
Wo mei-xiang-dao wei-le ni wo neng fong-kuang dao
Eu não sabia que seria capaz de fazer tantas loucuras por você

山崩海啸 没有你 根本不想逃
Shan-bong hai-xiao mei-you ni gen-ben bu-xiang tao
Sem você eu simplesmente não escaparei dos deslizamentos dos tsunamis inesperados

我的大脑 为了你 已经疯狂到
Wo-de da-nao wei-le ni yi-jing fong-kuang dao
Meu cérebro já enlouqueceu e só pensa em você

脉搏心跳 没有你 根本不重要
Mai-bo xin-tiao mei-you ni gen-ben bu-chong-yao
Não ter pulso ou coração batendo simplesmente não é importante

也许航道以外 是醒不来的梦
Ye-xu hang-dao yi-wai shi xing bu lai de mong
Talvez eu não queira acordar deste sonho quando chegar no outro lado desta via fluvial

乱世以外 是纯粹的相拥
Luan-shi yi-wai shi chun-tsuei de xiang yong
Do outro lado desse mundo caótico onde estamos completamente ligados um ao outro

我没想到 为了你 我能疯狂到
Wo mei-xiang-dao wei-le ni wo neng fong-kuang dao
Eu não sabia que seria capaz de fazer tantas loucuras por você

山崩海啸 没有你 根本不想逃
Shan-bong hai-xiao mei-you ni gen-gen bu-xiang tao
Sem você eu simplesmente não escaparei dos deslizamentos e dos tsunamis inesperados

我的大脑 为了你 已经疯狂到
Wo-de da-nao wei-le ni yi-jing fông-kuang dao
Meu cérebro já enlouqueceu e só pensa em você

脉搏心跳 没有你 根本不重要
Mai-bo xin-tiao mei-you ni gen-ben bu-chong-yao
Não ter pulso ou coração batendo simplemente não é importante

相遇乱世以外 危难中相爱
Xiang-yu luan-shi yi-wai wei-nan zhong xiang-ai
Nos encontramos do lado de fora desse mundo caótico e nos apaixonamos no meio dessa catástrofe

相遇乱世以外 危难中相爱
Xiang-yu luan-shi yi-wai wei-nan zhong xiang-ai
Nos encontramos do lado de fora desse mundo caótico e nos apaixonamos no meio dessa catástrofe

我没想到
Wo mei-xiang-dao
Eu não esperava por isso.

No vídeo abaixo o divulgador científico Felipe Hime comenta um material publicado pela KPMG com 30 previsões para 2030 o futuro no espaço. O material está em inglês e o link está na descrição do video.

KPMG 30 voices