Duvida - vontade de aprender

Olá pessoal sou iniciante no mundo de programação/blockchain, porém venho analisando as discussões de vocês, vídeos do Tiago Salem, podcasts e alguns vídeos em inglês(pois há vídeos mais atualizados) e achei incrível esse mundo e o conhecimento que vocês absorveram durante todos esses anos.
Sei que talvez eu esteja cortando caminho, porém esclareço de tal forma que tenho experiência em diversos campos e entendo o valor da experiência.
Enfim, tenho 24 anos moro na zona leste de São Paulo, tenho experiência no mercado financeiro, direito civil(fui escrevente em cartório) e já cursei tecnólogo em mecatrônica durante 2 anos no IFSP (não terminei devido a oportunidade no cartório), como dito, prezo muito pela experiência e em minha visão o conhecimento que eu adquirir com vocês seria mais valioso que qualquer faculdade, hoje sou dono de uma empresa de licitação e tenho uma janela de horário das 07 as 13 horas, tenho interesse em ajudar e aprender com vocês, pode ser em forma de estágio(não precisa do contrato) ou com algum projeto que me mandem, gostaria da opinião de vocês sobre oque proponho acima, sou iniciante em javascript, já tive aulas de java e linguagem c no tecnólogo, consigo entender e ler em inglês(apenas falar que não).

Desde já agradeço qualquer orientação e desculpa criar esse tópico!

WhatsApp (11) 94088-2933 - caso seja melhor.

2 curtidas

Olá Bolonha, seja bem vindo.
Enquanto você está começando eu já tirei meu time de campo e pendurei a “chuteira”. No terço final da minha carreira eu entrevistei centenas de candidatos a jovem aprendiz e assistente. Também acompanhei o começo da carreira daqueles que entrevistei e aprovei.
Experiência depende em certa medida do tipo de carreira, do tamanho e do perfil da empresa. Se você se vender como alguém totalmente aberto para trabalhar em vários tipos diferentes de empresa pode transparecer que não sabe bem o que está querendo ou está atirando para todo lado para ficar com o alvo que acertou. É controverso mas a minha opinião pessoal é que as empresas não “curtem” candidatos assim, mesmo que o fato de ter trabalhado em várias atividades diferentes possa lhe parecer vantajoso.
Entre o que os candidatos falam ou “vendem” numa entrevista e a rotina do dia a dia existe uma boa distância. Mas parece que ainda não inventaram um processo melhor do que este de avaliar histórico e/ou CV, entrevistar e contratar. Manter uma boa rede de contatos ajuda bastante e um bom método para construir uma rede de contatos é fazendo cursos na área de interesse.
Se eu estivesse no seu lugar escolheria um foco principal para me dedicar e me aperfeiçoar mantendo uma segunda opção por perto.
O fato de você expor que é empresário também pode gerar desconfiança naqueles que eventualmente estejam dispostos a “contratá-lo” porque qualquer um “desconfia” que entre a própria empresa e a empresa “dos outros” qualquer um vai escolher e dar preferência para o seu próprio negócio. Outro fator que hoje em dia pode ser desfavorável, por mais que pareça honesto e transparente dizer que pode dispor do horário XX até YY também pode ser desfavorável e pelo que eu sei, as empresas que contratam a distância mantém acompanhamento específico para monitorar o cumprimento da jornada, a não ser que seja acordado o cumprimento de etapas independente do horário. Quando alguém sinaliza que dispõe de tal horário diariamente está “sugerindo” que procura algum tipo de atividade rotineira naquele espaço de tempo. Quem tem interesse pode querer saber por quanto tempo essa disponibilidade vai durar?
Essa jornada em busca de oportunidades sempre agrega experiências para a vida toda. Não devemos desanimar e nem desistir. Uns dois anos atrás um colega cursou informática numa dessas entidades mantidas por empresas para esta finalidade e conseguiu uma boa colocação numa instituição financeira. Deixo o link abaixo, caso você se interesse, e talvez seja interessante buscar outras empresas do mesmo tipo para fazer cursos que já te colocam na porta de uma dessas empresas que mantém a entidade.

Complementando: “vontade de aprender” em qualquer contexto é mais ou menos como dizer “sou honesto”, “sou esforçado”, “cumprirei os horários ou não vou me atrasar”, “vestirei a camisa da empresa” etc. Falando em termos de empresas estruturadas com algum grau de gestão certas coisas não fazem diferença porque é o que se espera de qualquer um que bata na porta pedindo emprego. Hoje em dia as empresas mais estruturadas e as grandes querem ouvir falar sobre sustentabilidade, inovação, trabalho social etc se é que você me entende. É claro que vontade de aprender é algo que deve ser praticado para a vida toda mas é preciso ter cuidado com esse tipo de afirmação. No começo da carreira é “bacana” mas daqui a pouco tempo, depois que você estiver na estrada por alguns anos também vai ter que demonstrar e comprovar o quanto está disposto a oferecer, contribuir e ensinar para os outros sem ficar apenas tentando se mostrar receptivo e passivamente aberto para aprendizados. Não é o caso por enquanto mas daqui a pouco vai ser importante mostrar também tamanho da contribuição que você será capaz de oferecer além das tarefas rotineiras para as quais foi “contratado”. E por último, não me parece adequado dizer que “não precisa de contrato” vindo de alguém que já trabalhou em cartório e teve contato com o mundo do direito. Possivelmente não foi a intenção mas esse tipo de afirmação pode ser mal interpretado por outras pessoas que podem avaliar algum grau de desinteresse em questões formais que são essenciais numa empresa, como é o caso do registro dos empregados ou prestadores de serviço.

3 curtidas